Atendimento:  (21) 2236-4422   /   (21) 2547-3079

HIGIENE ORAL - ESCOVA E FIO DENTAL

A saúde bucal está diretamente ligada ao bem-estar de todo o organismo.

Apesar de não ter dados atualizados na incidência de cáries na população adulta, alguns dados nos mostram que em 1986, três a cada quatro brasileiros com mais de 60 anos, não tinham nenhum dente.

Dados do Ministério da Saúde mostram que mais de 90% da população, tem a doença cárie dentária.

73% dos brasileiros, aos 60 anos, não têm mais dentes na boca.

Apenas 32% dos jovens, na faixa de 18 anos, têm todos os dentes.

Somente 30% da população têm acesso a métodos coletivos de prevenção de doenças bucais.

Nos últimos anos, uma das principais preocupações da odontologia é a prevenção da cárie dentária. Prevenindo estamos evitando cáries, problemas gengivais e ortodônticos, que atingem um número muito grande da população brasileira.

A prevenção deve ser aplicada na gestante, no bebê, na criança, no adolescente e no adulto.

A saúde dos dentes depende muito da nossa higiene e do tipo de alimentos que comemos.

Houve avanço no combate à cárie entre 1986 e 1996.

A incidência de cáries entre crianças caiu em 54% (cinqüenta e quatro por cento) desde 1986, e está próxima à meta estipulada da OMS (Organização Mundial da Saúde) para o ano 2000.

O indicador da OMS, chamado índice CPO, mostra o número de dentes permanentes cariados, restaurados, extraídos ou com indicação de extração em crianças de 12 anos de idade.

Em 1986, o CPO do Brasil era 6,67, ou seja, as crianças quando completavam 12 anos, tinham praticamente sete dentes atacados pela cárie. Em dez anos, reduzimos esse índice para 3,06 dentes cariados por criança ( levantamento de 1996, disponível na Internet, página do DATASUS - www.datasus.gov.br ).

Apesar da redução, especialistas ressaltam que não há motivos para euforia. Há uma grande diferença entre Estados, e o patamar alcançado pelo Brasil, está longe da maioria dos países desenvolvidos.

Causas da Redução:

A adição do flúor em cremes dentais desde 1998 e o flúor na água encanada. (Segundo o Ministério da Saúde, 42% da população têm acesso a água com flúor).

A introdução de programas municipais de saúde bucal em creches, pré escolas e primeiro grau, também foi outro fator importantíssimo para a redução da cárie dental.

Estados, Regiões, Países:

Diferem no ranking de incidência de cárie: Roraima, Boa Vista, com CPO em torno de 6,0 dentes permanentes atacados em crianças de 12 anos, equipara-se ao índice dos países com pior classificação no ranking da OMS, como o da Filipinas (5,8).

Em contrapartida, em Vitória (ES) o CPO de 1,47, é um dos poucos equiparáveis aos índices dos países industrializados como EUA e Reino Unido (CPO de 1,4 em ambos).

Cidade de Santos : As 46 mil crianças atendidas pelo Programa de Saúde Bucal de Santos, reduziram a cárie em 6l,73% nas crianças de 5 anos e 5l,72% nas de 12 anos.

Assim, a cidade já superou a meta estabelecida pela OMS para o ano 2000. A média das crianças é de 1,5 dente com cárie.

Desde 1989, o programa mantém uma série de atividades e prevenção de tratamentos de cáries (50 escolas municipais, 24 estaduais, 11 particulares, 16 creches e entidades assistenciais). Os bebês também recebem atenção especial. Oito Policlínicas estão aptas a prestar atendimento a crianças de zero a três anos.

A meta da OMS para 2010 é a de menos de uma cárie por criança.

Isso significa, que o Brasil tem um grande trabalho pelos próximos anos. Medidas como: aumento da oferta de água fluoretada à população, intensificação de programas escolares de educação em saúde bucal e maiores ações educativas à comunidade (o ideal seriam agentes de saúde bucal).

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Rolar para cima