Atendimento:   (21) 2236-4422   /   (21) 2547-3079

TRAUMATISMO DENTÁRIO

Algumas situações envolvendo a boca e os dentes, quase sempre se transformam em experiências dramáticas para os pais e crianças.

É importante estar preparado para a atitude correta nessas situações. As estatísticas mostram que cerca de 14% das crianças e adolescentes passam por essas situações emergenciais.

Por isso, é importante estar preparado para se ter a atitude correta num momento desses.

Aprendendo a Andar

Os primeiros passos do seu bebê necessitam de atenção. Os acidentes mais comuns que afetam a dentição decídua (de leite), são nessa fase.

Com o trauma, o dente amolece em seu alvéolo, ficando com mobilidade (“balançando”) ao simples toque com o dedo.

Algumas vezes o dente é deslocado de sua posição original, intruindo (entrando dentro do osso - “alvéolo”) ou extruindo (descendo, saindo, ficando maior do que os outros) dificultando o contacto dos dentes no fechamento da boca.

O odontopediatra deve ser consultado, imediatamente, para avaliar a extensão do dano, que muitas vezes é maior do que aparenta ser.

O dente tem que ser radiografado para um diagnóstico mais exato e acompanhado por um período. O dentista irá orientar os pais sobre os cuidados a serem tomados na área afetada e a importância do acompanhamento radiográfico periódico, pois é muito comum lesões posteriores e até futuros problemas comprometendo a dentição permanente.

Pode acontecer a mudança de cor do dente, após 2 ou 3 dias do traumatismo (escurecimento da coroa do dente).

A avaliação clínica e radiográfica do dentista é importante, pois em muitos casos há perda da vitalidade do dente (nervo) e o tratamento endodôntico (de canal) se faz necessário.

Mas nem sempre a mudança de coloração significa perda de vitalidade, e nesses casos, o dente de leite poderá apenas ficar mais escuro sem necessidade de tratar o canal.

Cortes e Sangramentos

Quando uma criança sofre um traumatismo que provoca corte ou sangramento, deve-se colocar no lugar, sobre o ferimento, uma compressa de gaze ou pano limpo e pressionar bem, para que o sangramento seja controlado.

Muitas vezes, é necessário suturar o ferimento, para que a cicatrização se processe de maneira adequada. Assim, imediatamente, deve-se consultar um dentista.

Dente Fraturado

As fraturas ocorrem devido a traumas na boca. Num traumatismo é comum a fratura de um ou mais dentes. Deve-se consultar o dentista para avaliar a extensão da fratura, tratá-la e prevenir problemas da vitalidade futura do dente (evitando que o nervo do dente se danifique).

A melhor maneira de se evitarem fraturas nos dentes é preveni-las.

Assim, no caso de esportes, como andar de bicicleta, andar de "skate", basquete, vôlei, jogos de futebol ou "rugby" e outros esportes coletivos, é importante o uso de protetores bucais.

Mergulhos displicentes em piscina são uma das maiores causas.

Leve sempre que possível os pedaços fraturados do dente para o dentista. Dependendo do tamanho do fragmento fraturado, eles são aproveitados para a restauração do dente. É possível usá-los para efetuar uma colagem com resina fotopolimerizável.

Quando a fratura é pequena , a restauração com resina promove um resultado satisfatório e imperceptível.

No caso de fraturas maiores, com comprometimento da raiz ou com destruição de mais da metade do elemento, é necessário tratamento de canal e confecção de uma coroa total.

A radiografia é necessária para avaliação da extensão da fratura.

Extrusão parcial ou total de um dente

Em alguns acidentes automobilísticos ou quedas violentas, os dentes podem sofrer traumas , como extrusões ou intrusões.

A extrusão pode ser total ou parcial.

A extrusão parcial se caracteriza pela saída parcial do dente do alvéolo, ficando fora do nível dos outros dentes.

Neste caso o reposicionamento é mais fácil. Deve-se levar lentamente o dente para o interior da loja óssea. Procurar o dentista imediatamente é imprescindível.

A extrusão total é quando o dente sai inteiro para fora do alvéolo. Dependendo da força do impacto, é comum acontecer a avulsão total do dente (extração, deslocamento ou perda do dente).

Nestes casos é muito importante que se tenha alguns cuidados logo após o acidente.

Algumas medidas devem ser tomadas imediatamente para tentar salvar esse dente. Se o dente for de leite, o sucesso do reimplante nem sempre é conseguido. No caso do dente permanente, o sucesso do reimplante é mais comum.

Mantenha uma alimentação líquida e pastosa.

A atuação do profissional deve ser imediata para que ele possa fazer uma avaliação radiográfica , prescrever analgésicos e anti-inflamatórios e promover um “splint” (fixação) para unir o elemento extruído aos dentes vizinhos.

Intrusão do Dente

A intrusão consiste na entrada do dente na arcada (loja óssea-alvéolo) devido a um trauma local. Após uma queda em que a boca tenha sido comprometida deve-se avaliar os dentes anteriores, principalmente, para detectar possíveis desníveis que caracterizariam a intrusão do elemento dentário.

Deve-se reposicionar o dente o mais rápido possível trazendo-o para a mesma altura dos dentes vizinhos.

Se houver dificuldade aguarde a visita ao seu dentista que deverá ser imediata.

Na maioria das vezes o escurecimento do dente indica a necessidade de se fazer o tratamento de canal.

Ajudando para o sucesso do reimplante

O sucesso do reimplante do dente dependerá muito do tempo que o dente ficar fora do alvéolo e da forma de conservação do dente nesse período.
O dente deverá ficar fora do alvéolo o menor tempo possível (no máximo, 30 minutos após o acidente).

Todo dente reimplantado sofre uma série de alterações. Deve ser  acompanhado radiograficamente.

O dente reimplantado deverá ser "fixado" pelo dentista em sua posição e ter o seu canal tratado. Mesmo assim, com o decorrer do tempo, haverá uma diminuição do tamanho de sua raiz (rizólise). O tempo médio da permanência de um dente reimplantado na boca é de 1 até 5 anos.

Muitas vezes, esse tempo é o necessário para que a oclusão se defina e novas condutas possam ser tomadas. 

  • Mantenha a calma. Faça com que a criança morda uma gaze ou um pano limpo com força para controlar o sangramento.
  • Procure o dente que foi avulsionado (extraído).
  • Pegue o dente somente pela coroa.
  • Não toque na raiz do dente.
  • Com soro fisiológico ou leite morno, remova cuidadosamente algum resíduo estranho ao dente. Não esfregue o dente. Nunca remova a “carne” que está em volta do dente.
  • Observe se existe alguma fratura na raiz do dente. Se não houver, tente, você mesmo, recolocar vagarosamente o dente no lugar (alvéolo) de modo que ele fique nivelado aos outros dentes. Este procedimento é doloroso e só deve ser realizado se houver total impossibilidade de atendimento por um dentista.
  • Ao colocar o dente no alvéolo, observe que a parte côncava da coroa do dente é voltada para o lado de dentro da boca e a convexa para o lado do lábio.
  • Faça a criança morder uma gaze ou pano limpo, mantendo o dente em posição correta.Procure imediatamente o dentista (odontopediatra).
  • Caso você não consiga recolocar o dente no alvéolo, mantenha-o úmido, colocando o dente em um copo com soro fisiológico, água ou leite.
  • Em último caso, mantenha-o na boca da criança mesmo, (debaixo da língua ou entre a bochecha e a gengiva) e procure imediatamente um odontopediatra.
Rolar para cima